Hetrin amplia atendimento com serviço de Terapia Ocupacional

  Profissionais da área atuam no tratamento de lesões e recuperação física, motora e emocional do paciente

Foto: Divulgação

Priorizar constantemente o melhor atendimento e cuidado humanizado para seus pacientes, o Hospital Estadual de Trindade (Hetrin) ampliou seu quadro de profissionais de saúde, contando agora com a terapeuta ocupacional Thais Ribeiro Borges. Ela passa a integrar a equipe multidisciplinar da unidade, composta por médicos, enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais e nutricionistas.  

A terapia ocupacional se inspira nos hábitos cotidianos das pessoas para criar práticas de exercícios e atividades personalizadas que ajudam no tratamento de lesões e recuperação física, motora e emocional dos pacientes, melhorando a qualidade de vida. “A partir da identificação do histórico ocupacional dos pacientes e do acolhimento de suas necessidades, o terapeuta pode favorecer sua participação em atividades significativas, voltadas ao autocuidado, à autopercepção, ao lazer e trabalho”, ressalta Thais Ribeiro.

No contexto hospitalar, o profissional considera os fatores ambientais (físicos, sociais e culturais) e temporais, como a idade, o ciclo de vida e as limitações ou incapacidades associadas ao contexto clínico do paciente, colaborando com o enfrentamento do processo de adoecimento e hospitalização. Ele visa amenizar impactos na funcionalidade, auxiliando na superação das dificuldades por meio do desenvolvimento de recursos como atividades, adaptação ambiental, organização da rotina e auxílio para continuidade da participação social.

“Minha função é ampliar a autonomia e independência desses pacientes durante o período de hospitalização, proporcionando a eles formas dinâmicas de passar por esses processos desenvolvendo a autonomia, a retomada de capacidades, incentivando a compartilharem experiências e favorecer a livre expressão. Esse trabalho auxilia na redução do estresse e consequentemente motiva o restabelecimento da saúde e da qualidade de vida”, ressalta Thais. “É um profissional muito importante para o atendimento à população em geral porque trabalha a adaptação e as vivências de cada paciente levando em conta necessidades individuais e prioridades de vida”, relata Vania Fernandes, diretora do Hetrin.

No Brasil, desde o fim dos anos 1970, há terapeutas ocupacionais atuando em Unidades Básicas e Centros de Saúde (UBS) mas, somente a partir de 2008, ampliou-se a presença desses profissionais nos serviços de Atenção Primaria a Saúde (APS) para compor os recém-implantados Núcleos de Apoio à Saúde da Família.

A terapia ocupacional

O Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Coffito) define a terapia ocupacional como uma “profissão de nível superior voltada ao estudo, prevenção e tratamento de indivíduos com alterações cognitivas, afetivas, perceptivas e psicomotoras, decorrentes ou não de distúrbios genéticos, traumáticos e/ou de doenças adquiridas”.

O Dia Mundial do Terapeuta Ocupacional é comemorado em 19 de janeiro. A data representa a regulamentação do Decreto Lei 938, de 1969, que determinou um código de ética supervisionado pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Em 2022, foram comemorados os 105 anos da terapia ocupacional no mundo.

Os terapeutas ocupacionais atuam na reabilitação de pacientes com vários tipos de disfunções, desde neurológicas a ortopédicas. Trata-se de uma especialidade que contribui para o tratamento de traumatismos cranianos, acidentes vasculares cerebrais, artrite reumatoide, esclerose múltipla, Parkinson, Alzheimer entre outros.

O objetivo da terapia ocupacional é habilitar ou reabilitar o indivíduo para desempenhar suas atividades habituais (serviços domésticos, autocuidado corporal, lazer, participação social e familiar).


Assessoria de Comunicação - Hospital Estadual de Trindade (Hetrin)

Aline Marinho – aline@ecco.inf.br

Camila Braunas – camila@ecco.inf.br

Postar um comentário

0 Comentários